sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Broinha de fubá de canjica

Eu simplesmente ADORO as broinhas de fubá de canjica. Toda vez que vou à padaria, fico namorando elas de longe, e só de vez em quando me rendo a essa tentação. No entanto, nunca tinha pensado em fazê-las em casa, até que vi ontem este post no delicioso blog Come-se, da Neide Rigo.

Antes de voltar ao lar, depois do trabalho, passei na minha amada Big Pão e, para a minha alegria, lá tinha o fubá de canjica. Não pensei duas vezes: comprei um pacote e corri para a cozinha testar a receita, que ficou uma delícia! O marido, os colegas de trabalho, a mãe, a irmã e a sogra aprovaram.




Pedi permissão à Neide para reproduzir a receita e as informações preciosas do blog, que gentilmente me concedeu. Obrigada, Neide! Fiquei com dó dos paulistas, que não conseguem fazer essa maravilha por lá por causa da falta do ingrediente principal: o fubá de canjica. A Neide me disse que ninguém conhece o dito cujo em São Paulo...

Segundo ela, o fubá de canjica é extraído de milho duro e seco resultando num pó muito fino e rico em amido. O que o distingue do fubá mimoso é a granulometria e o tipo de moinho usado para produzi-lo, já que ambos usam como matéria prima o grão do milho amarelo desgerminado e sem o pericarpo (a película que recobre o grão), também chamado de canjica amarela. Tradicionalmente o processo era feito da seguinte forma: o milho era deixado a secar no próprio pé, o que resultava num fubá saboroso e adocicado; depois os grãos debulhados passavam pelo monjolo para que fossem eliminados o gérmen e a película. A parte vítrea, mais dura, do milho era triturada em moinho de pedra, também movido a água (como o monjolo) que, num processo demorado, transformava o milho desgerminado num pó de granulação finíssima. Hoje a maioria é feita em moinho de pedra elétrico, mas o resultado parece continuar o mesmo. Quase uma maisena. Estas broinhas funcionam bem com este fubá.

Segue abaixo a receita da Neide, baseada na receita fornecida a ela pela Elzinha Nunes, do restaurante Dona Lucinha.

Ingredientes

5 ovos médios (240 g)
1/2 xícara de óleo (120 ml)
1 xícara de leite frio integral (240 ml)
1/4 de xícara de açúcar (45 g)
1/2 colher (chá) de sal
2 xícaras de fubá de canjica (180 g)
2 colheres (chá) de grãos de erva-doce

Modo de preparo

Ligue o forno na temperatura de 250 graus e deixe aquecendo enquanto prepara a massa. Unte com manteiga e polvilhe com fubá uma assadeira grande ou duas médias. Reserve.
Faça a massa: coloque no liquidificador os ovos, o óleo, o leite, o açúcar, o sal e cerca de um quarto do fubá pesado. Bata bem até ficar uma massa lisa. Despeje tudo numa tigela e junte o restante do fubá e a erva-doce. Misture bem até formar uma massa cremosa. Passe óleo numa xícara de chá de fundo arredondado e coloque aí um pouco de fubá. Retire porções de massa usando duas colheres de sobremesa (uma para pegar, outra pra empurrar). Jogue a porção de massa dentro da xícara, rodeie para moldar a bolinha e vire sobre a assadeira preparada. Faça isto com toda a massa, deixando espaço entre as broinhas, que vão crescer. Leve ao forno preaquecido e deixe assar até crescer e ficar bem dourada (cerca de meia hora), lembrando que meu forno é um doméstico nada confiável - portanto, fique de olho no seu forno e, se precisar, faça adaptações na temperatura e no tempo.

Rende: cerca de 25 broinhas

OBS: eu produzi 18 broinhas com essa quantidade de massa.


4 comentários:

Rita Lopes disse...

clara: simplesmente de-li-ci-o-sa!

Clara Bello disse...

Ficou boa mesmo, Ritinha!! Depois farei mais.

rairaikendo disse...

ai que delicia infelismente não posso fazer,onde eu moro não tem o fubá de canjica...

Patricia de oliveira disse...

Afinal querida estas broinhas fica salgada ou doce porque as que compro na padaria e salgadae responde por favor

Postar um comentário